doismileoito se esvai

No começo de 2008 eu pensei que três coisas iam dominar o mundo nesse ano que passou: o Google, as Lojas Americanas express e os livros pocket; tentei falar sobre o maior número de coisas sobre as palestras que assisti na Campus Party, porque achava que um evento para tão poucos precisava ser ao menos “documentado”.

Depois de um semestre de aulas na USP, tentei externar a minha vontade de fazer com que todo mundo que produzisse algum tipo de conhecimento, por mínimo que fosse, pudesse compartilhá-lo com as pessoas. Eu, no meu parco e humilde modo, tento compartilhar as besteiras que passam na minha caixola. Quem sabe sai algo bom.

Continuei o ano me indagando o que aconteceria se o papel acabasse, qual era o tema do meu blog, e argumentando também sobre as estratégias que as pessoas usam para escrever bem.

Aí terminou o ano e eu penso: fora o Google, nada daquilo foi realmente impactante; a Campus Party vai acontecer novamente em janeiro, e eu estarei por lá de novo também; por mais que eu tente, não dá pra compartilhar tudo que se produz, principalmente porque nem tudo é aproveitável; eu agora acho que o papel não vai acabar; o tema do meu blog continua “não-definível” e eu aprendi muito discutindo sobre como cada um faz para escrever do jeito que escreve.

No final das contas, mesmo que eu tenha mudado as minhas opiniões de janeiro pra cá, argumentar e expor as minhas opiniões me faz crescer. Rever as minhas antigas opiniões faz com que eu me sinta realmente evoluindo. Arriscar e dar a minha cara a tapa me permite arriscar também em outros “flancos”, com outras idéias que podem parecer mirabolantes ou idiotas demais, sem medo de que elas não dêem certo. Como colocar o pessoal da facu para escrever num blog coletivo, ou resolver avaliar e fazer pequenas resenhas dos bares da minha cidade.
Se nada der certo, ao menos uma coisa eu ganho: experiência.

E essa, não tem como, você tem que tentar pra ter.

“Nenhuma invenção é perfeita ao nascer”.

into_new_year_by_ciril

E aí, tá pronto pra sua primeira imperfeição de 2009?

Anúncios

2 opiniões sobre “doismileoito se esvai

  1. posso dar um pitaco?
    essa história de que papel vai acabar (ou deixará de ser usado em livros e jornais, por exemplo, acredito que foi isso q vc quis dizer) já falavam há uns 20 anos, senão me falha a senil memória. acho que foi o Negroponte em “Being digital” que profetizou que, dentro de uns tantos anos, ninguém mais leria livro de papel e que, se o problema era a gente sentir falta do cheiro do papel, esse cheiro seria acrescentado à mídia eletrônica que tomaria o lugar dos antigos volumes etc. isso deve ter uns 20 anos, como eu disse antes. e acho que nunca se publicou tanto livro desde então. fora essa aplicação, o consumo de papel deve ter aumentado uma brutalidade também por causa das impressoras, que hoje são muito mais baratas e vendidas em muito maior volume que naquela época.
    abs

    • Osvjor, você tem razão; mas como todo hype, tem uma hora que se fala
      adoidadamente sobre o negócio, tem hora que esquecem.

      Mas eu, particularmente, tô loca pra que apareça algo pra substituir o
      papel. Não quero que ele acabe, mas quero diminuir o peso das coisas todas
      que carrego pra facu! =D

Os comentários estão desativados.