Catrâmbias!, um elogio à loucura eduditista

Para meu estudo de prosa ficcional contemporânea, Catrâmbias é um marco. Não fosse isso, seria para mim, como simples leitora, um “arremesso”. Iria arremesá-lo pela janela sem dó nem piedade. Ao estilo do autor, Evandro Affonso Ferreira, defrenestrá-lo-ia prazeirosamente.

Catrâmbias conta a história (conta?) de uma senhora que resolve voluntariamente internar-se em um hospício, mesmo não tendo nenhum problema mental ou psicológico que a faça necessitar de apoio em tal instituição. Lá a senhora presencia e nos conta os problemas de outros internos, muitas vezes tendendo a analisá-los. Falando assim parece fácil; e é. O que não é nada simples nessa história toda é o palavreado utilizado pela senhora para tratar de tudo isso.

Evandro Affonso Ferreira é fascinado pela sonoridade das palavras, principalmente daquelas desconhecidas do público. O próprio título da obra só pode ser compreendido com uma consulta ao dicionário. Catrâmbias, no contexto da obra, é uma interjeição como “Ora, bolas!”.

Os alunos da matéria de Prosa Ficcional tiveram inclusive a oportunidade de encontrar com o autor e fazer perguntas. Entretanto, em diversas de suas respostas, Evandro foi categórico: não se preocupa com o leitor, faz a literatura para ele mesmo, como forma de diversão.

Assim, pra mim ficou evidente que o enredo quase insípido nada mais é do que uma desculpa para que a narradpra continue erudita e quase ininteligivelmente a sua superficial história sobre a loucura. A senhora que narra Catrâmbias também é uma visão de mundo de Evandro. Entretanto, ao que parece, esse eruditismo só se expressa de forma literária, pois na conversa com os alunos ele foi bastante direto, específico e básico, comparado com a riqueza de palavras de uso incomum encontradas em sua obra.

Quem sabe é uma loucura erudita que, por meio da literatura, tenta aliviar-se…

Catrâmbias

Catrâmbias!
de Evandro Affonso Ferreira
78 páginas
Editora 34
Star
R$25,00

Submarino Button

Anúncios