O futuro da TV

Tem coisas que não se pode acreditar de primeira, quando um único veículo de comunicação divulga. Mas depois que essa “coisa” toma proporções um pouco maiores, parece bobo não discutir sobre.
capa super
É o caso do futuro da TV. Já tinha ouvido uns e outros falarem que a TV que conhecemos hoje está com os dias contados, que não haverá publicidade televisiva no futuro e tudo o mais. Mas só na última semana, o Roda Viva (na TV Cultura, 22/01/07) e a Revista Superinteressante (editora Abril, Fev/07) discutiram, sob diferentes prismas, a mesma questão: o futuro da TV, como a conhecemos hoje.

A evolução da TV de 1.0 para 2.0 vai ser basicamente fruto da escolha do conteúdo. As pessoas vão poder assistir o que quiserem, na hora que quiserem. A SUPER exemplifica isso com o seriado Lost. A segunda temporada vai começar a ser exibida em breve pela Rede Globo, mas essa temporada, bem como o início da terceira temporada (exibida apenas nos EUA) podem ser encontradas facilmente na internet, bem como legendas em diversos idiomas, feitas pelos aficcionados pela série. Os produtores de Lost, ao invés de tentarem coibir isso ao máximo, acabaram vendo na web um meio de expandir a popularidade do seriado, que na verdade é um grande quebra cabeças. Os produtores espalharam diversas peças dele na web, como por exemplo vídeos do Lost Experience . Assim, os fãs do seriado (e toda a gente movida pela curiosidade que um enigma desperta) foram juntando as pecinhas e coneguindo novas pistas sobre o que acontece na misteriosa ilha.

Isso evidencia que a internet mudou o jeito como vemos TV. A MTV, há algum tempo, noticiou que a sua programação não vai mais se restringir a clipes, e vai passar a se focar em outros conteúdos. Lógico: em tempos de YouTube , quem precisa aguardar um clipe passar na TV?

O que dizem é que a TV vai tender a ser mais multimídia, mais interativa. Mas eu não apostaria tanto. No Brasil, a TV tem um papel social importante, visto que o acesso da população a livros, jornais, e cultura em geral é precário, e, de certa forma, a ela acaba suprindo parte dessas “necessidades”, com noticiários e telenovelas. Mas, apesar disso, parte das pessoas vem trocando a TV pelo computador. Talvez, então, o futuro tenha mais a ver com um computador mais potente e monitores maiores e de maior qualidade do que com TVs interativas. Afinal, o que a sua TV faz que o seu computador não pode (ou poderá) fazer?

iTVNo futuro, provavelmente teremos placas cada vez melhores e mais potentes para plugarmos o cabo da TV. E, com a massificação da digitalização de conteúdos e a evolução da leitura de diferentes mídias pelos computadores, fica claro que é mais fácil o computador assumir o papel da TV do que ela tornar-se mais interativa. Haja visto que vídeos de trechos de jornais famosos já são transmitidos em vídeo pelo YouTube e outros serviços similares.

Lost? Assistiremos em computadores. Jornal Nacional? Em breve, transmitido pela web ao vivo. As bandas ficarão cada vez mais largas, e as transmissões e vídeos terão cada vez mais qualidade. E então Steve Jobs irá nos surpreender novamente e, de forma quase que mágica, nos apresentará a iTV, um incrível dispositivo que será TV, celular, iPod, terá acesso à internet, bluetooth, câmera, controle remoto com touch screen…

TAGS: , , , , , ,

Anúncios

2 opiniões sobre “O futuro da TV

  1. Boa matéria, moça.
    Pra mim, a tv já perdeu lugar há muito tempo..

  2. Excelente artigo!!!!

    O fato de escolha do conteudo, e uma das vantagens da “nova era digital”, e no caso da TV acho isso necessário hoje em dia.

    Abraços =)

Os comentários estão desativados.